Get Adobe Flash player

Preço do pescado

Previsão de tempo

Tempo e mar

Fonte: EPAGRI


MAR AGITADO E VENTOS FORTES

Chuí a Laguna

Sexta-feira, ventos de S a SW, força 3 a 5 e rajadas de 60 a 80 km/h. Ondas de S a SE de 2.0 a 2.5 m e picos de 3.0 a 4.0 m. Mar muito agitado e totalmente desaconselhável a navegação de pequenas e médias embarcações.. Para saber mais clique aqui.

Ecologia

Perturbações naturais e antrópicas em recifes de corais: declínio rápido e recuperação em escala de décadas mostra a vulnerabilidade do icônico peixe-borboleta

Perturbações antrópicas ou naturais sobre o ambiente recifal podem afetar assembleias de peixes coralívoros, como o peixe-borboleta. Os pesquisadores Garry Russ e Susannah Leahy documentaram, ao longo de 31 anos, os efeitos de perda e recuperação de corais sobre as assembleias destes peixes em duas ilhas no centro das Filipinas, comparando áreas de proteção ambiental e áreas de pesca controlada. Foram analisados cinco eventos de perturbação (tufões, branqueamento e pesca destrutiva), que reduziram em 61% a cobertura de coral vivo e em 47% a densidade do peixe-borboleta, com declínios de duraram aproximadamente dois anos. Nos cinco períodos de recuperação monitorados, foi verificado um aumento de 202% na cobertura de coral e um aumento de 196% na densidade do peixe-borboleta em pouco mais de 10 anos. A diferença nas taxas de declínio e recuperação do peixe borboleta levanta preocupações para a persistência deste taxon icônico em face da crescente frequência e intensidade de perturbações ambientais sobre os recifes de corais.

Leia mais...

Ecologia alimentar: o caminho da bioacumulação de metais pesados em golfinhos

Golfinhos são considerados bons bioindicadores do nível de contaminação dos ecossistemas marinhos. Sua plasticidade alimentar e trânsito entre áreas costeiras e oceânicas fornecem informações sobre os níveis de elementos traço originados de fontes naturais e antrópicas. Gilberto Baptista e colaboradores investigaram os níveis de Mercúrio (Hg) e Selênio (Se), a ecologia trófica e as áreas de alimentação de quatro espécies de golfinhos que habitam a costa do Rio de Janeiro: golfinho-nariz-de-garrafa, toninha, golfinho-de-dentes-rugosos e boto-cinza. O estudo mostrou que o tamanho das presas e a ecologia alimentar são os responsáveis pelas diferenças nas concentrações de Hg e Se entre as espécies. A toninha, um pequeno cetáceo costeiro vulnerável que se alimenta de peixes pequenos e lulas, apresentou as menores concentrações musculares de Hg. Já o golfinho-de-dentes-rugosos, que preda sobre grandes peixes oceânicos e que tem maior probabilidade de absorver grandes quantidades de oligoelementos, apresentou as maiores concentrações. A contribuição materna de Hg através da placenta foi mais significativa no boto-cinza.

Leia mais...

Estudo utiliza poluentes emitidos por termelétrica do RS na biofixação de CO2 e crescimento de microalgas

A concentração de dióxido de carbono (CO2) na atmosfera terrestre aumentou significativamente desde 1800. Dessas emissões, aproximadamente 22% são causadas pelas usinas termelétricas. A queima de combustíveis fósseis também produz uma grande quantidade de resíduos sólidos, que causam sérios problemas industriais e ambientais. A lixiviação das cinzas das áreas de descarte pode fazer com que elementos menores, como os metais pesados, entrem no lençol freático, contaminando fontes atuais e potenciais de água e possivelmente ingressando na cadeia alimentar através das plantas. Pesquisadores dos Laboratórios de Engenharia Bioquímica e Microbiologia e Bioquímica da FURG avaliaram o potencial de biofixação de CO2 das microalgas e cianobactérias que foram cultivadas com efluentes gasosos e resíduos sólidos da Usina Termelétrica do Presidente Medici, localizada em Candiota (RS), que emite anualmente cerca de 2,234 milhões de toneladas de CO2 devido à queima de carvão.

Leia mais...

O impacto do TOBE no comportamento de curto prazo da baleia franca austral

O Turismo de Observação de Baleias Embarcado (TOBE) é uma das atividades turísticas que mais cresce em todo o mundo, movimentando mais de US$ 2 bilhões por ano. Estima-se um público de 13 milhões de pessoas em 119 países distintos. Esta atividade traz não somente empregos (13.200 pessoas) e benefícios econômicos para as comunidades locais, mas também incentivam a conservação de baleias. Um estudo feito na Península de Valdez, Argentina, liderado pelo Centro para o Estudo de Sistemas Marinhos (CESIMAR – CENPAT), analisou o efeito causado pelo som dos motores e as manobras das embarcações durante a aproximação da baleia franca austral. Os resultados mostraram que as baleias reagem negativamente a abordagens inadequadas com motores ligados, se afastando e mesmo evitando a embarcação. Já com os motores desligados, as baleias mostraram um comportamento positivo, se aproximando do barco e buscando contato de forma espontânea.

Leia mais...

Na Praia da Pinheira, óleo de fritura vira biodiesel e gera economia para os pescadores artesanais

A reutilização de resíduos para a geração de energia, em especial a produção de biodiesel a partir de óleos residuais de fritura, desempenha um papel importante na sustentabilidade ambiental. Elisa Moecke e colaboradores da UNISUL e da UFSC avaliaram uma usina de produção de biodiesel em pequena escala na Praia da Pinheira, SC, que utiliza óleo residual de fritura de restaurantes e residências. A Usina tem capacidade para produzir 200 litros de biodiesel por dia, servindo como uma fonte de renda e desenvolvimento para a comunidade. O fornecimento de biodiesel como combustível para as embarcações artesanais locais representa uma economia de cerca de 15% para os pescadores.

Leia mais...

Mais Artigos...