Get Adobe Flash player

Preço do pescado

Previsão de tempo

Tempo e mar

Fonte: EPAGRI


MAR AGITADO E VENTOS FORTES

Chuí a Laguna

Sexta-feira, ventos de N a S, força 4 a 5 e rajadas de 50 a 60 km/h. Ondas de NE a S de 1.5 a 2.0 m e picos de 2.5 a 3.0 m. Condições de chuva e trovoadas no decorrer do dia com o avanço de uma frente fria. Para saber mais clique aqui.

Ecologia alimentar: o caminho da bioacumulação de metais pesados em golfinhos

Golfinhos são considerados bons bioindicadores do nível de contaminação dos ecossistemas marinhos. Sua plasticidade alimentar e trânsito entre áreas costeiras e oceânicas fornecem informações sobre os níveis de elementos traço originados de fontes naturais e antrópicas. Gilberto Baptista e colaboradores investigaram os níveis de Mercúrio (Hg) e Selênio (Se), a ecologia trófica e as áreas de alimentação de quatro espécies de golfinhos que habitam a costa do Rio de Janeiro: golfinho-nariz-de-garrafa, toninha, golfinho-de-dentes-rugosos e boto-cinza. O estudo mostrou que o tamanho das presas e a ecologia alimentar são os responsáveis pelas diferenças nas concentrações de Hg e Se entre as espécies. A toninha, um pequeno cetáceo costeiro vulnerável que se alimenta de peixes pequenos e lulas, apresentou as menores concentrações musculares de Hg. Já o golfinho-de-dentes-rugosos, que preda sobre grandes peixes oceânicos e que tem maior probabilidade de absorver grandes quantidades de oligoelementos, apresentou as maiores concentrações. A contribuição materna de Hg através da placenta foi mais significativa no boto-cinza.

O Hg é um elemento traço exógeno e nocivo, que ocorre nos ambientes aquáticos na sua forma mais tóxica (metilmercúrio) e que pode afetar a produtividade, reprodução e sobrevivência dos mamíferos marinhos. O selênio, por outro lado, foi identificado como um elemento traço essencial que atua como agente protetor contrário a toxicidade de metais não essenciais como o mercúrio. Os valores de isótopos estáveis indicaram que as quatro espécies estudadas possuem habitats de forrageamento distintos, costeiros e menos costeiros, e ocupam diferentes posições tróficas.

Leia o artigo aqui.

Foto: Alex Mustard